O autoconhecimento é uma das habilidades mais importantes para o sucesso de uma pessoa. A forma como você se comporta e responde a situações externas é regida por processos mentais internos e conseguir identificá-los e compreendê-los é essencial para ter uma vida mais saudável e equilibrada.

Especialmente no que diz respeito ao desenvolvimento profissional e em ambientes corporativos, o conceito de autoconhecimento tem se tornado bastante popular. Cada vez mais as pessoas têm buscado por formas de se conhecer melhor e esse processo está passando por um período de valorização e incentivo. Afinal, espera-se que um bom profissional saiba lidar bem com os outros e com o ambiente ao seu redor e, o primeiro passo para isso, é se dar bem consigo mesmo.

Mas diante disso tudo, você já parou para pensar o que o autoconhecimento realmente significa? E indo além: já pensou no quanto você conhece de si mesmo – e como pode conhecer mais?

Apesar da popularização do termo, nem todos estão familiarizados com o real significado e a importância do autoconhecimento e nem com os processos necessários para alcançá-lo. E é por isso que preparei este artigo! Aqui você vai encontrar tudo sobre o assunto e ainda descobrir 15 exercícios práticos que vão te ajudar a se conhecer melhor. É só continuar lendo – vai valer a pena!

O que é autoconhecimento

O autoconhecimento é um processo que tem como objetivo identificar padrões de pensamento e hábitos pessoais e, a partir disso, permitir que o indivíduo consiga melhorar suas respostas comportamentais e tomadas de decisão. O autoconhecimento começa dentro da mente e se reflete no exterior, mudando positivamente a forma como uma pessoa percebe o mundo e reage a diferentes situações.

Existe um provérbio africano que diz que “quando não há inimigo dentro, os inimigos de fora não podem fazer nenhum mal”. E esse é um excelente resumo sobre autoconhecimento.

Por meio de exercícios, essa técnica permite que possamos compreender melhor nossos objetivos e desejos e, a partir disso, traçar planos mais eficientes para que eles sejam alcançados. É possível também controlar pensamentos e hábitos destrutivos e evitar que eles impactem negativamente em nossa vida.

A importância do autoconhecimento

O autoconhecimento, como próprio nome diz, faz com que as pessoas se conheçam, se entendam e, a partir disso, tenham consciência sobre o que se passa em sua mente e como isso afeta sua vida. E é por isso que essa prática é tão importante.

Tendo ciência de seus hábitos e pensamentos, é possível identificá-los como bons ou ruins e trabalhar para que eles sejam mais ou menos frequentes e poderosos. Uma pessoa com mais entendimento sobre seu interior poderá usar isso para se desenvolver e evoluir – seja na vida amorosa, pessoal ou profissional.

O autoconhecimento faz com que o ser humano tenha uma vida muito mais saudável e equilibrada e, consequentemente, com que ele seja cada vez mais bem sucedido, principalmente profissionalmente.

É por isso também que esse conceito tem se tornado cada vez mais popular no ambiente corporativo e no que diz respeito ao âmbito profissional e de desenvolvimento de carreira.

Uma pessoa consciente de si mesma e de seus pensamentos, consegue identificar suas forças e fraquezas e trabalhar com foco para se desenvolver diariamente. Por isso, na maioria das vezes, buscar o autoconhecimento é o primeiro passo para ter uma vida profissional mais bem sucedida e saudável.

Os três níveis do autoconhecimento

Até esse momento, você já deve ter conseguido compreender melhor o conceito de autoconhecimento e também a sua importância para diferentes momentos da vida. Então, como prometido, é hora de descobrir como você pode começar a buscar por autoconhecimento em sua própria vida, por meio de exercícios simples.

Porém, antes disso, é preciso saber que existem três níveis de autoconhecimento que uma pessoa precisa desenvolver. Eles foram propostos pelo escritor Niklas Goeke e são:

Pensamento: tudo aquilo que você pode desenvolver utilizando apenas a sua própria mente.

Expressão: exercícios para avaliar e desenvolver a forma como você se expressa em termos de crenças, valores e atitudes.

Implementação: o que você pode aplicar no mundo e em sua vida para alcançar os objetivos desejados.

Todos esses níveis precisam ser igualmente desenvolvidos para que se atinja o real autoconhecimento e a seguir vamos falar sobre 15 exercícios – de todos os tópicos – para que você comece a trabalhar o seu.

Exercícios para desenvolver o autoconhecimento

1. Os três “porquês” do autoconhecimento

Antes de agir em uma decisão, pergunte a si mesmo “Por que?”. Acompanhe sua resposta com outro “Por que?” e depois um terceiro. Se você puder encontrar três boas razões para continuar nessa decisão, você terá mais clareza em sua mente, conseguirá agir de forma mais racional, evitará más ações – normalmente tomadas por impulso – e ficará mais confiante.

Em suma, ter autoconhecimento significa conhecer seus motivos e determinar se eles são razoáveis e esse exercício é essencial para isso.

2. Expanda seu vocabulário emocional

O filósofo Wittgenstein disse: “Os limites do meu idioma significam os limites do meu mundo”.

As emoções criam respostas físicas e comportamentais poderosas que são mais complexas do que “feliz” ou “triste”. Colocar seus sentimentos em palavras têm um efeito terapêutico em seu cérebro. Afinal, se você não consegue articular como se sente, isso pode criar estresse e outras sensações negativas. Aumente seu vocabulário emocional com uma nova palavra a cada dia e também não tenha medo de ir além e se aprofundar em seus sentimentos.

3. Pratique dizendo ‘não’ para si mesmo

A capacidade de dizer “não” a si mesmo para adiar a gratificação a curto prazo e favorecer o ganho a longo prazo é uma habilidade vital importante. E como um músculo, isso pode ser reforçado com o exercício constante. Quanto mais você pratica dizendo “não” a pequenos desafios diários, melhor você pode suportar grandes tentações.

Há muitas tentações diárias – redes sociais, junk food, fofoca, trocar o yoga pelo Netflix – e você deve se esforçar para reconhecê-las e evitá-las. Faça um objetivo de dizer “não” a cinco tentações diferentes a cada dia. Anotar suas conquistas em cada dia pode ajudar a manter o foco!

4. Ruptura das reações viscerais

Uma pessoa sem autoconhecimento corre no piloto automático e responde com reações intempestivas. Um bom índice de autoconhecimento permite que você avalie as situações de forma objetiva e racional, sem agir sobre preconceitos e estereótipos.

Portanto, respire fundo antes de agir, especialmente quando uma situação desencadeia raiva ou frustração. Isso lhe dará tempo para reavaliar sua resposta e definir se ela será mesmo a melhor.

5. Seja responsável perante suas falhas

Ninguém é perfeito. Estar ciente de suas falhas, mas não aceitar a responsabilidade por elas, acaba deixando o trabalho feito pela metade. Muitas vezes criticamos os outros e ignoramos as nossas próprias falhas. O autoconhecimento ajuda a aumentar nossa percepção sobre nós mesmos, criando um espelho interior, e isso previne que tenhamos comportamentos hipócritas.

Evolução e autoconhecimento só acontecem quando você reconhece uma falha. Crie o hábito de assumir suas responsabilidades, ao invés de dar desculpas e veja como você pode melhorar em cada um deles.

6. Monitore sua “auto-fala”

Há comentários sem parar em nossas cabeças que nem sempre são úteis. Um pouco de “auto-fala” negativa pode levar a quadros de estresse e depressão.

Preste atenção na maneira como você responde aos seus sucessos e fracassos. Você sempre considera suas conquistas apenas como sorte? Ou crucifica-se muito depois de falhas? Os contornos de feedback positivos e negativos se formarão em sua mente com base em como você responde a sucessos e falhas. Comemore suas vitórias, perdoe suas perdas e aprenda com elas. É um bom caminho para ampliar as chances de autoconhecimento, pode ter certeza.

E falando nisso, temos um artigo completo com 15 livros sobre autoconhecimento que também podem te ajudar a ter mais sucesso com a compreensão de si mesmo. Confira aqui!

7. Melhore a sua consciência na linguagem corporal

Observar-se em um vídeo pode ser uma experiência fascinante, pois a consciência de sua linguagem corporal, postura e maneirismos melhora sua confiança e seu autoconhecimento.

Deslocar, ou tomar uma “pose de baixa potência” (meio morna, com os braços largados, jogado na cadeira) aumenta o cortisol e alimenta a baixa auto-estima, enquanto estar de pé ou ter uma “pose de alta potência” estimula a testosterona e melhora seu desempenho (esse exercício é muito legal, vale a pena tentar na sua próxima reunião). Usar gestos de mão também ajuda a articular seus pensamentos e afeta a forma como as pessoas se atentam e respondem a você.

Grave um discurso ou apresentação e avalie sua postura e gestos. Assista a vídeos de oradores qualificados e adote seus maneirismos para melhorar os seus.

8. Conheça o seu tipo de personalidade

Conhecer o seu tipo de personalidade permite que você maximize seus pontos fortes e gerencie seus pontos fracos. Compreender suas “forças” e “talentos” pode ser a diferença entre uma boa escolha e uma ótima escolha. (Pontos fortes são habilidades e conhecimentos que podem ser adquiridos, enquanto os talentos são inatos – será?).

Comece com a compreensão de onde você cai no espectro introvertido/extrovertido; conheça seu tipo Myers-Briggs; e então crie e registre uma análise SWOT pessoal, com seus pontos fortes, fracos, oportunidades e ameaças.

9. Pratique auto-avaliação e reflexão

Um exercício excelente é manter um diário e acompanhar seus desempenhos e progressos diários. Por exemplo, hoje como você classificaria seu nível de autoconsciência, de zero a dez? Pense em quantas vezes você disse coisas das quais se arrependeu, teve hábitos ruins, tomou decisões distraídas ou teve pensamentos erráticos. Este é um exercício poderoso para o autoconhecimento e pode ser feito a qualquer momento.

Defina metas regulares, quebre essas grandes metas em marcos menores e pergunte-se ao final de cada dia: “o que eu fiz bem hoje?”  e “como posso melhorar isso amanhã?”.

10. Solicite feedback construtivo regularmente

Todos nós temos pontos cegos em nossos padrões de pensamento e comportamento. Pedir comentários de feedback construtivos regulares pode ser útil para que sua força de autoconhecimento seja desenvolvida também com base em visões externas e diferentes.

Busque como mentores aquelas pessoas que você respeita, mas que não sejam complacentes com vocês. Essas pessoas dirão o que você precisa ouvir, não o que você quer ouvir.

11. Faça meditação para desenvolver o autoconhecimento

A meditação é uma prática fundamental para melhorar seu autoconhecimento. Concentrar-se unicamente em sua respiração é focar em um processo interno chave.

Com essa prática, você perceberá como sua mente fica vagueando em momentos nem sempre adequados e entenderá como melhorar para se livrar dessas distrações.

Se você é um iniciante, comece com sessões de dez minutos. Encontre um lugar quieto para se sentar e respire pelo nariz e pela boca. Conte suas respirações em silêncio, lendo sua mente quando ela vagueia. Veja quantas respirações você pode encadear juntas.

12. Se questione

Comece a perceber que nem sempre suas opiniões estão ou precisam estar totalmente corretas. Se questionar é essencial e vai ajudar muito em seu desenvolvimento pessoal.

Sempre que você estiver sendo muito duro ou fechado em si mesmo, coloque uma interrogação no lugar do pontos finais e comece a pensar se suas convicções fazem mesmo sentido ou se realmente precisam ser tão pouco flexíveis. Isso vai te ajudar a lidar melhor com outros pontos de vista e até a rever certos posicionamentos.

13. Olhe as pessoas nos olhos

Autoconhecimento é sobre lidar melhor com si mesmo, mas isso também inclui entender como as pessoas reagem quando estão com você e o impacto que você causa nelas.

Por isso, quando estiver falando com alguém, olhe essa pessoa nos olhos e procure compreender o que suas reações, gestos e expressões estão querendo dizer. Você consegue deixá-la confortável, confiante? Ou essa pessoa sempre parece com medo e ansiosa para terminar a interação? Isso vai dizer muito sobre você e sobre pontos que você precisa desenvolver.

14. Registre sobre suas crenças e valores

Normalmente, as pessoas têm crenças e valores que servem como um guia e um direcionamento para suas vidas. Então, por que não registrar isso?

Coloque todos os seus mantras, valores e crenças em um documento. Aproveite para refletir sobre cada um desses pontos e entender se você realmente os tem seguido. Se a resposta for negativa, pense também em como você pode voltar a andar pelo caminho que deseja.   

15. Se organize e estabeleça prioridades

Quando se trata de autoconhecimento, outro ponto bastante importante é saber se organizar e, principalmente, conseguir estabelecer prioridades.

Por isso, um exercício interessante é, todos os dias antes de dormir, anotar as tarefas do dia seguinte e então definir as prioridades em termos de execução. Para que dê certo, marque no máximo três tarefas como mais importantes e aprenda a realmente criar uma noção de prioridade. Assim você otimiza seu tempo e consegue ser mais produtivo.    

Conclusão

Agora que você entende o que é o autoconhecimento, sua importância e sabe diferentes formas de desenvolvê-lo, é hora de começar a trabalhar esse conceito em seu dia a dia. Assim, você poderá ter uma vida mais saudável e ser mais eficiente e feliz em diferentes áreas, inclusive na corporativa.

Um bom profissional conhece si mesmo, é capaz de identificar hábitos e pensamentos positivos e negativos e – o mais importante – sabe como lidar com isso tudo e usar isso tudo para se desenvolver.

Então comece a praticar o autoconhecimento e veja como essa prática pode mudar seu dia a dia. E se precisar de orientação e direcionamento para ter resultados ainda melhores, conte com a ajuda da Penser. Basta clicar aqui ou na imagem abaixo e preencher o formulário que iremos entrar em contato para oferecer uma consultoria personalizada.

Fernando Pacheco

Mineiro, animado e bom leitor. Formado em Comunicação pela PUC-MG, MBA em Gestão de Pessoas, Graduado em Gestão de Recursos Humanos e Pós-graduado em Controladoria e Finanças. Diretor de Operações da Samba Tech e CEO da Penser.
Fechar Menu