Durante muitos anos, a ‘luta’ pela preservação do meio-ambiente ficou restrita aos ambientalistas, ONGs, especialistas e alguns poucos interessados no assunto. As pequenas manifestações e avanços eram comemorados timidamente, sempre deixados à margem dos grandes debates que o Brasil e o mundo viam acontecer.

Atualmente, queremos e devemos ser 7 bilhões de ambientalistas. Forçados ou não, estamos numa fase que merece reflexão e trabalho duro, de todas as partes. É necessário celebrar aquilo que buscamos há tanto tempos: a pauta ambiental com destaque em várias esferas.

Os avanços da humanidade contemporânea ocorrem, geralmente, com manifestações políticas, econômicas e da sociedade civil, e é isso que começamos a vivenciar hoje com as questões ambientais. Clamamos por muitas outras evoluções, claro, mas não sejamos extremistas e deixemos passar uma ótima chance de discutir e comemorar as vitórias que foram alcançadas, ainda que busquemos mais, e mais, e mais.

A economia quer ser verde, a indústria quer ser verde, a sociedade quer ser verde. Que verde sejamos então. A teoria precisa se consolidar em prática e fazer parte do cotidiano de todas as pessoas. O apelo midiático tem sido fundamental para que os cidadãos se atentem ao debate, à matéria. Código Florestal, Rio+20, APPs, mananciais, preservação… são palavras que habitam o dia a dia do brasileiro e cria, instintivamente, uma sementinha em seu cérebro.

Vivemos um boom de sustentabilidade e questões socioambientais em primeira página e isso é um motivo de orgulho, de importância e de grandeza. Vemos e ouvimos empresas cada vez mais preocupados e antenadas aos detalhes do futuro do negócio e isso também representa um bom passo dado.

Ainda que travestida de negócios e busca por novos mercados, as grandes corporações industriais e econômicas querem fazer sua parte e isso é um fator positivo. Não olhemos apenas os meios, mas os fins que esses resultados possam gerar. O extremismo não faz bem e precisa sair da pauta de ambientalistas, especialistas e cidadãos engajados. Entre reclamar de tudo e de todos, se esforce para conscientizar pessoas, trazer mais uma para o debate, para o pensamento amplo. O Instituto Terra Brasilis valoriza e busca essa abertura, cumprindo seu papel de levar a discussão além da sua sede, da sua rede, para longe do seu mundo de atuação. É preciso mais, é preciso ir além.

Que busquemos os 7 bilhões de ambientalistas, cientes de que os avanços dados nos gerem ainda mais força para alcançar essa meta.

Comemore e reflita neste Dia Mundial do Meio-Ambiente. Amanhã voltaremos para a luta: ainda há muito a fazer.

Um abraço, Fernando Pacheco.

Texto escrito originalmente para o site do Instituto Terra Brasilis

Fernando Pacheco

Mineiro, animado e bom leitor. Formado em Comunicação pela PUC-MG, MBA em Gestão de Pessoas e Graduado em GRH. Head of Pre-Sales na Samba Tech, proprietário da Penser e sócio da Life. E o mais importante, padrinho do Mateus. É isso aí...