Fora da sua zona de conforto pode ser um bom lugar para se estar, contanto que você não incline a seta para longe demais. Como você viu no primeiro post desta série, é importante lembrar que há uma diferença entre o tipo de ansiedade controlada que estamos falando e a ansiedade demasiada que muitas pessoas lutam todos os dias.

A zona de conforto de cada um é diferente, e o que pode expandir os horizontes para você, pode ser a mesma coisa que paralisa alguém do seu lado. Recapitulando então: ansiedade ideal pode trazer para fora o seu melhor, mas se passar da linha, algo bem ruim pode acontecer.

Bom, para começar, seguem algumas formas de iniciar a saída da sua zona de conforto, e tudo isso sem ir muito longe. Algo que comece a mostrar para sua mente que há um desejo de mudança.

Fazer coisas cotidianas de forma diferente (aprendendo sobre sua zona de conforto)

Vamos para uma listinha bem simples, de coisas que você pode começar a fazer agora para sair da sua zona de conforto natural.

No cotidiano.

  • Tomar um caminho diferente para o trabalho;
  • Tentar um novo restaurante sem verificar primeiro no Yelp, TripAdvisor ou algum guia local;
  • Tentar virar vegetariano por uma semana, ou um mês;
  • Tentar um novo sistema operacional no seu computador;
  • Mudar o caminho do trabalho para casa;
  • Sair mais cedo do trabalho, chegando também um pouco mais cedo;

Isso é o que chamamos de calibrar a sua realidade. Não importa se a mudança é grande ou pequena, mas é fundamental alterar as formas como você anda fazendo as coisas todo dia. Procure colocar em perspectiva o que vem de qualquer mudança, mesmo que o retorno seja inicialmente negativo. Não desanime se as coisas não funcionarem do jeito que você planejou. Simplesmente siga em frente.

Leve o seu tempo para tomada de decisões.

Às vezes, fazer as coisas com um pouco mais de calma te fará se sentir inconfortável em um mundo onde velocidade e raciocínio rápido são valorizados em seu trabalho ou vida pessoal. Bom, mas ir mais devagar, observar o que está acontecendo, tomar o seu tempo para interpretar o que vê, e depois intervir pode ser algo fenomenal para lhe tirar da mesmice. Às vezes, defender os eu direito de pensar um pouco mais, respirar fundo, refletir sobre as possibilidades e pedir que as pessoas aceitem isso pode ser uma forma muito interessante de lhe tirar da sua zona de conforto. É bem na linha: pense, não apenas reaja.

Confie em si mesmo e tome decisões rápidas (aqui vai uma pequena ironia)

Parece contraditório com o ponto acima? Sim, e é. Mas lembra que a saída da zona de conforto é diferente para cada pessoa? Então vamos para mais uma iniciativa que pode ser validada agora mesmo. Assim como há pessoas que prosperam em decisões rápidas, outros estão mais confortáveis pesando todas as opções possíveis várias vezes, sem parar. E isso às vezes pode paralisar. Portanto, trazer para sua vida uma pequena chamada de pressão pode ser uma boa, para colocar as coisas em movimento. Fazer isso tende a ajudá-lo a alavancar seus projetos pessoais e ensiná-lo a confiar em seu julgamento. E isso também vai te mostrar que decisões rápidas ou lentas têm consequências, do mesmíssimo jeito.

Faça as coisas em pequenos passos

É preciso muita coragem para sair de sua zona de conforto. Mas aí é importante compreender tudo isso como um grande projeto, que precisa de pequenas ações para iniciar. E existe neste história uma grande lição: você não precisa ter medo de começar devagar. Identifique seu grande projeto e comece com os passinhos mesmo. É assim que funciona. Você não acorda um dia e muda todos os seus medos e desafios. Você muda, sim, as primeiras ações para chegar até eles. E tudo flui dessa forma.

Há muitas outras maneiras de esticar seus limites pessoais. E pode ser coisas simples, como aprender uma nova língua ou habilidade. Conectar-se com pessoas que lhe inspiram, iniciar um projeto de voluntariado, viajar, simplesmente mudar a forma como você volta para casa. São situações teoricamente pequenas, mas que abrem sua mente e começam a mostrar ao seu cérebro o que essas mudanças representam. Tentar coisas novas é difícil. Se não fosse, sair de sua zona de conforto seria fácil e nós faríamos isso o tempo todo. É tão importante compreender como os hábitos se formam e como podemos quebrá-los, pois assim conseguimos achar a forma de nos pressionar para sair constantemente da zona de conforto, fazendo coisas específicas.

Por que é importante retornar à sua zona de conforto de tempos em tempos

Você não pode viver fora da sua zona de conforto o tempo todo. Você precisa voltar de vez em quando para processar as suas experiências que ocorrem fora da área natural e confortável. A última coisa que queremos é que o novo e interessante passe a se tornar rapidamente comum e chato. Esse fenômeno, chamado de adaptação hedonista, é uma tendência natural de se impressionar com coisas novas só para sentir que o incrível tornou-se comum depois de um curto período de tempo.

Você pode lutar contra isso, tentando coisas novas, menores. Pedir algo novo em um restaurante onde você está acostumado a comer a mesma coisa todo dia pode ser uma abertura de olhos importante, bem como visitar uma cidade vizinha que você nunca foi. Percebeu? Sempre passa por coisas pequenas, por mostrar para a sua mente que o novo pode fazer parte da sua vida, pode lhe ajudar a sair da zona de conforto. E isso estamos falando de coisas abstratas, genéricas. O mesmo vale para projetos reais, como se comunicar melhor em público, ter mais saúde física e mental, trabalhar no emprego dos sonhos e por aí vai.

O ponto crucial para pisar fora da sua zona de conforto é realmente abraçar novas experiências para chegar ao estado de ansiedade ideal de um modo controlado, não sair por aí loucamente num estresse impossível de controlar. Tire um tempo para refletir sobre suas experiências para que você possa colher os benefícios e aplicá-los para o seu dia-a-dia. OK, pensou, refletiu, parou, refletiu novamente, compreendeu? Em seguida, faça algo mais interessante e novo. Torne isso um hábito, se puder. Valide como algo que faz sentido para você, que entendeu que agora está confortável, que venceu aquele desafio. Agora, tente algo novo a cada semana ou a cada mês. Tem gente que se coloca em situação de fazer algo estranho, bem esquisito mesmo, uma vez por mês (comer coisas exóticas, passear descalço e coisas assim). Isso mostra para sua mente que existem novas habilidades de adaptação, de conhecer o novo, de evitar o tédio da rotina. Você só tem a ganhar com isso, pessoalmente e profissionalmente. De verdade, a gente não tem controle sobre o dia de amanhã, e os mais aptos a se reinventar a adaptar tenderão a caminhar para uma vida mais feliz e plena. De resto, a reação demora demais, e você tende a se limitar ao passado, sempre.

Não se limite a enormes experiências, pense em coisas do cotidiano mesmo, miudinhas. Talvez seja meditação que pode lhe tirar da zona de conforto, talvez seja bungee jumping, talvez seja dormir uma tarde inteira (algo que você não faz há 15 anos), talvez seja dizer NÃO.

 

Acho que você também pode gostar:

Como a má interpretação de sucesso faz com que você compre o sonho de todo mundo, menos o seu

Como desafios te tornam mais humilde e ajudam no seu desenvolvimento 

E se tirarem o trabalho da sua vida. O que é que sobra?


Fernando Pacheco

Mineiro, animado e bom leitor. Formado em Comunicação pela PUC-MG, MBA em Gestão de Pessoas e Graduado em GRH. Head of Pre-Sales na Samba Tech, proprietário da Penser e sócio da Life. E o mais importante, padrinho do Mateus. É isso aí...