Quando falamos sobre liderança no ambiente corporativo, é comum pensarmos em uma figura poderosa, que do auge de sua prosperidade profissional, envia comandos a um time e não responde a ninguém. Porém, não é bem assim.

Hoje, na maioria das empresas, segundo Sofia Esteves – fundadora do grupo DMRH e especialista no assunto, há uma nova dinâmica corporativa que faz com que as pessoas assumam diferentes papéis ao longo de sua carreira. Com o surgimento e a participação dos colaboradores em diferentes projetos, é comum que hora eles sejam líderes e hora sejam liderados.

Esse processo traz uma série de benefícios à corporação que o adota, porém é preciso quebrar algumas barreiras para que ele seja implantado com sucesso e funcione com fluidez. A maioria delas está relacionada ao relacionamento interpessoal, à noção de liderança das pessoas e à sua maturidade corporativa. Mas vai além.

Para que dê certo, líder e liderado precisam estar em completa sintonia e compreender essa dinâmica e seus benefícios como um todo. Se isso não acontece, podem surgir problemas interpessoais, no desenvolvimento dos projetos e na empresa como um todo.

Portanto, para que você entenda mais sobre o assunto e possa assumir uma posição positiva diante disso tudo – seja você líder ou liderado – escrevemos este artigo. Nele você vai entender como funciona essa dinâmica de troca de posições e também como pode se desenvolver para ter melhores resultados dentro dela. Vamos lá?

Como funciona a dinâmica entre líder e liderado nas empresas?

Hoje em dia, na maioria das organizações, com pessoas cada vez mais especialistas naquilo que fazem, é difícil encontrar alguém que exerça um papel de liderança em todos os projetos ou em todas as áreas. A liderança nesses casos é cada vez mais dinâmica e os colaboradores alternam entre ser líder ou liderado.

Parece absurdo, mas na realidade é bem simples e possível. Vejamos um exemplo básico.

Digamos que o Google queira desenvolver um novo projeto, de auxílio de otimização de conversão para ‘sites móveis’. Nesta jornada, estão envolvidos o diretor de tecnologia global, o diretor de mobile e o diretor de novos negócios. Mas pela expertise, o projeto será conduzido por um especialista em conversão, da área de projetos.

Deu para entender? Os diretores, neste projeto, são liderados pelo especialista em conversão. Em outras dinâmicas, a situação se inverte, por exemplo.

Mas quais as implicações disso no cotidiano? Como fazer para que isso dê certo, independente da sua posição? Continue lendo.

líder

Estou liderando. Como manter a confiança na equipe e ser um bom líder?

Se você assumiu um projeto e vai ser o líder dele, deve agir como tal. Isso não significa que você estará acima das outras pessoas ou que deve fazer tudo sozinho. É preciso confiar em si mesmo e – talvez ainda mais difícil – aprender a confiar nos outros também. Veja algumas dicas para se dar bem:

Deixe o ego em casa

Essa vale também para os liderados, mas é ainda mais importante para quem está em uma posição de liderança.

Assim como às vezes profissionais de cargos mais elevados precisam realmente deixar a vaidade no chuveiro e estar abertos a cumprir direcionamentos, o líder não pode deixar a vaidade subir a cabeça e achar que seu status é superior e à prova de falhas. Questionamentos e discussões são sempre bem vindas e o líder deve saber lidar com elas.

Se você chegou a uma posição de liderança em um projeto, foi porque mereceu e porque a companhia confia em você. Mostre que você é digno disso e não deixe o ego entrar na jogada. Afinal, se ele entrar, o projeto será realmente fracassado, não importa a habilidade ou a competência de quem está envolvido nele.

Dê orientações e não ordens

Apesar de você provavelmente ser a pessoa que mais tem conhecimento técnico sobre o assunto do projeto em questão, é importante que você seja realmente um líder e não um chefe.

Chefes dão ordens e apenas assistem enquanto o time as segue a risca, de forma quase cega. Líderes dão direcionamentos e, por mais que já exista um caminho claro de ação, deixam sua equipe produzir, sempre orientando e buscando o melhor de cada atividade.  

Dê poder (e liberdade) ao seu time

Muito relacionado ao tema anterior, é preciso que você dê autonomia e liberdade ao seu time. Nem todas as decisões precisam ser tomadas por você e é importante que você deixe as pessoas cientes de que elas podem (e devem) agir por si mesmas, sem que você precise aprovar cada um dos seus movimentos.

Líderes que querem estar envolvidos em cada detalhe de cada processo, podem acabar cometendo um grande erro, que é o da microgestão, e com isso desviar o foco de suas atividades principais, tendo uma queda de produtividade.

Fique atento e busque evitar isso. Dê poder ao seu time e tente enraizar o mantra de que “é melhor pedir desculpa do que permissão.”

Busque formalização

Talvez um dos fatores mais importantes envolvidos neste processo é a existência de uma formalização da sua posição de líder. É ter realmente alguém responsável dando suporte ao líder do projeto e isso significa dar o valor necessário ao papel dele como líder, o formalizando como gestor daquele trabalho.

Sem isso, é provável que os pontos anteriores tendam a não serem possíveis. O líder pode acabar se sentindo coagido ou diminuído e algumas pessoas do time podem realmente fazer essa coação deliberada, sem sentir que estão realmente sendo liderados. E isso é extremamente prejudicial, tanto para desenvolvimento das lideranças, quanto para o andamento do projeto.

É importante que alguém de peso valide essa condição, seja o CEO, o Diretor de RH ou algum VP. Depois disso, aí sim é hora do líder conquistar contextualmente as outras pessoas. Mas deixar que só ele conquiste este espaço pode ser uma perspectiva ilusória.

Aproveite para se desenvolver e buscar oportunidades

Ter a oportunidade de liderar um projeto, como citamos, é extremamente interessante no ambiente corporativo. Um dos principais objetivos desse tipo de dinâmica é virar o foco aos especialistas em determinadas áreas, para que eles coloquem sua visão, paixão e capacidade de gestão em projetos cujos temas eles dominem. Isso dá dinamismo aos resultados que devem ser entregues e incentiva o alcance das metas.

Por isso, aproveite! Use seu momento de liderança para provar seu valor, entregar um bom trabalho e mostrar que você é capaz de assumir responsabilidades maiores do que as do dia a dia operacional.

Lembre-se de que, desses projetos podem surgir novas necessidades e também novos cargos fixos de liderança. Esteja preparado para entrar nas “linhas sucessórias”.

Estou sendo liderado. Como ganhar a confiança do líder e também confiar nele?

Ao contrário da primeira situação, se você está sendo liderado, é preciso deixar o orgulho de lado e entender que para este projeto específico, existe alguém mais adequado para a liderança. Esse é um processo que exige bastante de todo profissional, mas é preciso aprender a confiar no seu líder e também ganhar a confiança dele. Saiba como:

Entenda o que é maturidade corporativa

Em primeiro lugar, vale entender que para que essa dinâmica de líder e liderado funcione, é preciso que todos os envolvidos estejam com um grau de maturidade corporativa bem alto. Isso é essencial principalmente para que as diferenças hierárquicas não sejam um fardo para todos envolvidos, o tempo inteiro. Além do mais, é importante para que o líder do projeto tenha efetivamente condições de fazer o trabalho acontecer de forma suave, sem grandes percalços.

É preciso que todos compreendam que os papéis nesse caso foram determinados pensando no benefício da empresa e que não há espaço para brigas de ego, opiniões irredutíveis ou “birras”. Só assim todos poderão se desenvolver e colher bons resultados do projeto em questão.

Busque boas discussões e questione

Respeitar o seu líder não quer dizer que você precisa acatar tudo que for sugerido ou todo direcionamento que partir dele. Trazer à tona bons questionamentos e discussões pode ajudar todo o time a tomar decisões mais assertivas e a conseguir resultados melhores e mais rápidos.

Portanto, esteja pronto para dar boas contribuições – mas lembre-se também de acatá-las quando elas vierem do líder ou de outras pessoas da equipe. O que importa é o sucesso do seu projeto.

Não “passe por cima” do líder e da sua equipe

Tenha sempre em mente que questionar, fazer sugestões e ter autonomia, não é a mesma coisa que agir por conta própria, ignorando as decisões tomadas pelo grupo e os direcionamentos dados pelo líder.

Por mais que você tenha amplo conhecimento sobre a tarefa que está executando e tenha uma posição hierárquica mais elevada, é importante saber abrir mão disso nos momentos certos e colocar os interesses do grupo acima dos seus.

Busque sempre agir de forma alinhada ao restante da equipe e não passe por cima de suas determinações e decisões sem um bom motivo ou sem ter trazido suas insatisfações e questionamentos à tona antes.

Busque feedbacks

Quando alguém é liderado em um projeto, essa pessoa também recebe grandes incentivos ao seu desenvolvimento. E em muitos casos, o principal deles está relacionada à oportunidade de receber feedbacks.

Com um líder qualificado e preparado, por meio do feedback é possível compreender melhor nossos próprios pontos de destaque e também nossas falhas, e ver como isso pode ser aproveitado ou melhorado para garantir nosso desenvolvimento. Principalmente se você é uma pessoa do alto escalão e está sendo liderada, essa é uma excelente oportunidade de romper barreiras e ver como sua equipe pode contribuir para seu crescimento pessoal e profissional.

Portanto, esteja sempre aberto para dar e receber feedbacks e – mais importante – busque por isso!

Dicas bônus para ambas ocasiões

Apesar de todas as dicas que demos acima serem aplicáveis em ambas situações, (para líder e liderado) existem duas dicas bônus que realmente são extremamente válidas de serem lembradas independente da sua posição.

Confie em você mesmo

Manter a confiança em si mesmo é essencial para alcançar o sucesso em qualquer projeto. Se você não confia no trabalho que desempenha ou na sua capacidade de guiar o time para um resultado positivo, todo o seu esforço pode estar comprometido.

Portanto, confie em si mesmo e não tenha tanto medo de errar. Se suas atitudes e questionamentos são bem embasadas, não há porquê ter receios de seguir em frente.

Trabalhe sua inteligência emocional e autoconhecimento

Nesse novo tipo de dinâmica corporativa, é essencial que as pessoas desenvolvam sua inteligência emocional e seu autoconhecimento de forma constante. Isso, além de melhorar seu relacionamento com o grupo como um todo, vai fazer com que você tenha mais consciência e controle das suas atitudes e não deixe, por exemplo, impulsos negativos impactarem seu dia a dia.

Aqui mesmo no blog nós já falamos nesses dois assuntos: temos um artigo focado em inteligência emocional e outro completo sobre autoconhecimento, incluindo exercícios. Vale conferir!

Conclusão

De acordo com especialistas, com o tempo, a tendência é que essa nova dinâmica se popularize ainda mais dentro das empresas. Cada vez mais, teremos líderes temporários em projetos específicos e pessoas do alto escalão guiadas por eles. Esse é um movimento natural e é preciso se adaptar a ele.

E se na sua empresa você já percebe esse movimento ou uma dinâmica parecida, compartilhe sua experiência conosco!

Com as dicas que listamos nesse artigo, com certeza os relacionamentos interpessoais entre líder e liderado tendem a ficar mais fáceis. Portanto, é importante estudar cada uma delas e começar a colocar em prática!

Aproveite também para conferir nosso ebook com 15 dicas para impulsionar sua carreira e veja outras dicas que podem ser utilizadas nesse contexto.

impulsionar sua carreira de lider e liderado

Fernando Pacheco

Mineiro, animado e bom leitor. Formado em Comunicação pela PUC-MG, MBA em Gestão de Pessoas, Graduado em Gestão de Recursos Humanos e Pós-graduado em Controladoria e Finanças. Diretor de Operações da Samba Tech e CEO da Penser.
Fechar Menu