Mercado aproveita nicho voltado para idosos

Nas próximas duas décadas, mais de 20 milhões de brasileiros vão se tornar idosos. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a população com mais de 60 anos vai dar um salto incrível: de 19 milhões, em 2010, para 40 milhões, em 2030.

Nesse cenário, os empreendedores, empresas, bancos de investimento e profissionais autônomos buscam aproveitar a demanda crescente.

Em matéria de 2011, o Estadão chamou a atenção para a franquia americana Right at Home, que desembarcou no Brasil em 2010, e é um exemplo de profissionalização do setor. Responsável pela introdução do negócio no País, Eduardo Chvaicer sabe que parte do seu trabalho é mudar a mentalidade das famílias. “Cuidador não é empregado doméstico. É difícil explicar que cada situação exige um tipo diferente de profissional. Preciso traçar o perfil de cada cliente em potencial para definir quem vai atendê-lo.”

No Brasil, um empreendimento interessante é a BEMEQUER, uma iniciativa de prestação de serviços voltada ao público da terceira idade. E um dos pontos mais interessantes é um banco de dados que serve de guia para a busca pelo profissional que tenha o perfil que o idoso e sua família esperam, seja ele cuidador, enfermeiro, fisioterapeuta, terapeuta ocupacional…

Segundo reportagem da Folha.com, os consumidores com mais de 60 anos devem movimentar neste ano R$ 400 bilhões. O valor, equivalente ao PIB da Irlanda, é 45% maior do que há cinco anos.

Fernando Pacheco

Mineiro, animado e bom leitor. Formado em Comunicação pela PUC-MG, MBA em Gestão de Pessoas e Graduado em GRH. Head of Pre-Sales na Samba Tech, proprietário da Penser e sócio da Life. E o mais importante, padrinho do Mateus. É isso aí...