Exigir recolocação desesperadamente nas redes sociais não é o melhor caminho

Você deve ter visto no título que utilizamos a palavra exigir ao invés de pedir ou solicitar recolocação. E também notou o termo desesperadamente logo de início. Sim, é isso que muitos profissionais estão fazendo nas redes sociais, principalmente no Linkedin. Com o cenário de crise nacional, muitas pessoas estão adotando táticas que não colaboram em nada com uma possibilidade real de recolocação.

O contexto é realmente complexo, com mais de 10 milhões de desempregados em todo o país e o momento exige muita atenção. Mas para driblar a situação, algumas iniciativas mínimas podem ser bem úteis. Antes de chegarmos nisso, porém, é importante saber o que não fazer.

Cuidado com posts mandatórios e agressivos

Dia desses vi duas correntes no Linkedin de dois profissionais suplicando que toda a sua rede compartilhasse para o maior número de pessoas possível o post deles desesperadamente procurando um emprego numa área X. A publicação reclamava do cenário econômico, mencionava as mazelas das empresas que não abriam vagas e dizia que não estava conseguindo nada. De verdade, essa postura não ajuda.

Estar sem ocupação é uma situação triste, mexe com fatores psicológicos fortíssimos e pode ser realmente complicado em nossa vida (todos nós já estivemos nessa situação em algum momento). Mas é preciso cautela. Quando nossa rede nos vê em situação de desespero, reclamando ou exigindo alguma coisa, nosso posicionamento profissional se quebra e a chance de conseguirmos alguma começa a cair por terra.

#vcpodeseinteressar:

7 livros que podem te ajudar a crescer na carreira (seja ela qual for)

Gestão de carreira é desafio compartilhado entre profissional e empresa (Parte 1)

8 tipos de fotos que não deveriam estar no seu perfil do Linkedin

Mas existem formas de utilizar as redes sociais para fazer um excelente relacionamento e conseguir uma nova posição. Muitas das dicas abaixo podem acontecer dentro ou fora do ambiente virtual.

Dicas práticas

Primeiro de tudo: é preciso utilizar as redes sociais para networking o tempo inteiro e não apenas no momento de baixa. Troque conteúdo, indique vagas para conhecidos, marque pessoas em materiais que gostou e compartilhe coisas interessantes. Isso lhe garante um posicionamento de referência, que pode ser útil no futuro.

  1. Ao sair da empresa, vale, sim, mencionar nas redes sociais que está em busca de novos desafios, mostrando suas qualidades e qualificações, mas sem exigir nada ou ter um tom muito depressivo.
  2. Mantenha seu Linkedin sempre atualizado, com os cursos que realizou e os principais reconhecimento.
  3. Explique calmamente em mensagens privadas o que tem procurado, quais suas áreas de interesse e para onde quer seguir sua carreira. Mas sem exigir nada de ninguém.
  4. Ofereça algo em troca quando for pedir indicação.
  5. Compartilhe conteúdos relevantes e mostre que você tem coisas interessantes para entregar como profissional.
  6. Aproveite o Linkedin Pulse para seguir pessoas que compartilham informação relevante e que podem lhe fazer aprender novas coisas neste momento de recolocação.
  7. Utilize o Pulse para escrever suas percepções de mercado e cenário dentro da sua área de atuação.
  8. Participe de grupos de discussão. Muitas vagas interessantes costumam surgir por lá.
  9. Utilize o Linkedin Empregos para saber onde existem oportunidades boas.
  10. Conecte com contatos antigos e que podem lhe ajudar nessa fase de recolocação.

Esperamos que o post seja útil e que você consiga voltar ao mercado o mais rapidamente possível. Gostou? Tem algo a acrescentar? Fique à vontade para comentar ou compartilhar com sua rede.

Fernando Pacheco

Mineiro, animado e bom leitor. Formado em Comunicação pela PUC-MG, MBA em Gestão de Pessoas e Graduado em GRH. Head of Pre-Sales na Samba Tech, proprietário da Penser e sócio da Life. E o mais importante, padrinho do Mateus. É isso aí...